Depois de passar para o quinto ano com seus alunos da quarta série, Lindsey não perdeu tempo em descobrir seus pontos fortes, pontos fracos, lacunas e interesses. 

Ela conhecia esses alunos como se fossem da sua própria família e queria tornar o ano ainda melhor que o anterior.

 

A matemática sempre foi sua paixão, mas é um assunto que muitos estudantes odeiam. Saber disso, naturalmente, faz dela o tipo de professor que tem paixão por mudar isso. Ela queria reestruturar seu tradicional material de matemática do ano passado e implementar uma abordagem mais envolvente e personalizada. Foi então, apresentada a um novo modelo de ensino da turma da sexta série de sua escola, no entanto, a professora teve dificuldade de se envolver de cabeça na organização e estruturar de uma maneira que funcionasse para sua classe. Nesse momento, conheceu o OneNote .

“Os blocos de anotações do OneNote Class me forneceram a estrutura necessária para criar um sistema que melhorou as potencialidades dos alunos.” As crianças da turma de Lindsey puderam trabalhar em seu próprio ritmo, nas habilidades de que precisavam e de uma maneira que melhor atendesse às suas necessidades. Eles se tornaram defensores de seu próprio aprendizado e desenvolveram um nível mais profundo de compreensão que ilustrou não apenas o domínio de habilidades, mas também a aplicação dessas competências.

 

Como funciona a escolha do aluno

 

Com base em suas metas pessoais, necessidades e retorno, os alunos fazem a escolha de matemática no início de cada dia. Através desse processo, a professora descobriu que dar aos alunos escolha e feedback é fundamental para criar aprendizes autônomos. Desse modo, podem optar por trabalhar de forma independente, ir com um grupo pequeno, auxiliar seus colegas, avaliar ou trabalhar em um problema mais desafiador se tiverem concluído suas avaliações.

 

 

Aprendizagem independente

 

Na biblioteca de conteúdo, os alunos têm acesso a todos os padrões na forma de uma declaração “Eu posso …”. Eles são fornecidos com sites, vídeos e outros recursos para aprender e praticar uma competência. Se eles escolherem trabalhar de forma independente, esse é seu recurso principal.

Antes de começar este modelo de matemática, Lindsey achou necessário ter tempo para ensinar às crianças, o que significava ser um aprendiz independente. Definir essa expectativa imediatamente e abordá-la, geralmente lhe ajuda a promover a responsabilidade. Ela tem alguns alunos, por exemplo, que preferiam aprender com um grupo pequeno ou com um professor, muito mais do que trabalhar de forma independente. E tudo bem!

 

 

Instrução em pequenos grupos


A cada dia, Lindsey lidera dois ou três pequenos grupos com base nas necessidades dos alunos. Estes pequenos grupos variam de 10 a 20 minutos e podem ter de dois à doze alunos, que se inscrevem nesses grupos com base em suas necessidades.

Inicialmente, ela pré-planejou essas equipes no começo da semana, então, as coloca em um calendário no espaço de colaboração no OneNote. Desse modo, rapidamente percebeu que não deveria impor nada definitivo, porque as necessidades dos alunos mudam diariamente. Agora, ela determina qual habilidade dar suporte em um grupo pequeno, com base numa rápida lição / revisão de grupo inteiro no início do bloco de aulas de matemática.


Peer ensine


Um dos mais altos níveis de compreensão de uma habilidade é ser capaz de ensiná-la. Os alunos de Lindsey têm a oportunidade de ensinar um colega depois de passarem por uma avaliação de habilidades. Para a professora, observar esses alunos aprendendo uns com os outros, é um dos aspectos mais gratificantes do ensino. É saber que criou uma cultura e um clima em que os eles se sentem à vontade e confiantes uns com os outros.

 

 

 

Avaliação do aluno

 

Uma vez que os alunos sintam que têm prática adequada com uma habilidade, eles podem optar por avaliar. Cada avaliação tem de três a nove problemas e, muitas vezes, exige que os estudantes apliquem essa competência em problemas do mundo real, mostrando e explicando seu trabalho. Se um aluno não passar na avaliação, ele faz uma conferência com Lindsey onde, repassam qualquer erro. Eles têm mais duas oportunidades para avaliar a mesma habilidade, se passarem na avaliação podem escrever seu nome no quadro, para que os outros saibam que também podem ensinar essa atividade.

Depois que fazem uma avaliação, eles adicionam essa habilidade ao rastreador de testes, é la que refletem sobre os erros que podem ter cometido em seu teste. A professora também faz upload de fotos do exame para que possam voltar e fazer as correções.

 

 

Aplicação de habilidade

 

Embora todas as avaliações tenham aspectos do mundo real incorporados a elas, Lindsey gosta de sempre fornecer algum tipo de problema extra que promova a criatividade e o pensamento crítico.

Para a geometria, por exemplo, as crianças tiveram que projetar sua casa dos sonhos usando formas geométricas, área e fórmulas de perímetro. Para frações, o aluno usava a realidade mista no Paint 3D para criar um pequeno avatar que representasse uma fração de sua altura. As crianças realmente gostaram disso e foi uma avaliação imediata da habilidade de escalar, comenta a professora.

 

 

Reflexão diária

 

O último e mais importante componente do modelo matemático de Lindsey é a reflexão do aluno. Durante os últimos 10 minutos de cada bloco de matemática, eles refletem sobre o que trabalharam naquele dia. Abordam novos aprendizados, perguntas que ainda podem ter e respostas ao feedback da professora, referente ao dia anterior.

“Embora responder às reflexões dos alunos a cada noite demore um pouco, é muito útil acompanhar o progresso e o aprendizado de cada um. Se puderem articular o aprendizado que tiveram, ou o processo resolver um problema específico, é uma avaliação imediata de se eles entendem ou não uma habilidade”. Levou algum tempo e modelagem para seus alunos serem atenciosos em suas respostas, mas ao longo do tempo, ela tem visto um crescimento significativo na capacidade dos estudantes verbalizarem seu aprendizado, não apenas em matemática, mas em todas as áreas de conteúdo.

 

 

Este modelo foi modificado e refinado ao longo do ano, através de processos colaborativos e círculos restaurativos. É importante ter sistemas que não apenas atendam às necessidades dos alunos, mas também trabalhem com o seu estilo de ensino. Sentados juntos e abordando gostos, desgostos, preocupações e perguntas realmente desistiram da propriedade deste modelo. Como acontece com qualquer sistema, é preciso muito trabalho para colocá-lo em prática, mas o crescimento dos alunos e o aumento do envolvimento são inegáveis.